domingo, 30 de janeiro de 2011

Calo-me

Pela boca é que morre o peixe
e aos poucos eu vou morrendo
pelas palavras que vou dizendo
sem que a minha boca se feche

Sou impulsivo, tenho meus dias
nem sempre sei ser ponderado
nunca soube como ficar calado
por falar assim quebro magias

Cala-te boca que és imprudente
apenas falas para dizer asneiras
eu sou quem mais fica a perder

Abre-te ó boca, apenas e somente
não para dizer essas baboseiras
mas só coisas que mereço dizer

in... APRENDIZ DE POETA - EMANUEL LOMELINO - TEMAS ORIGINAIS

18 comentários:

  1. Boa tarde Manu,
    um soneto com um tema muito interessante, ás vezes temos mesmo que aprender a ficar calados.
    Grata pela partilha.

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  2. És como és e acho que quase perfeito!

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Manu: Lindo soneto, mas desculpa a boca do poeta nunca pode ficar calada, mesmo que seja para dizer umas asneiras.
    Um abraço
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  4. Caro Manu;
    Excelente soneto, cantado pela alma do poeta.
    Gostei imenso.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Boa, Manu...coisas para nos mantermos atentos...tem toda razão, mas ela não obedece!! rsrs

    Ficou muito bom!

    []sss

    ResponderEliminar
  6. "....Cuidado com os olhares de quem não sabe te amar...
    eles costumam lhe fazer esquecer que você vale a pena... "

    (Fábio de Melo)

    Feliz Semana e Beijos meus! M@ria

    ResponderEliminar
  7. Um belo soneto... realmente às vezes deviamos saber ficar de boca calada....mas ainda bem que a boca do poeta nunca se silenciará!

    ResponderEliminar
  8. Meu querido amigo Manu...
    Eu estava com saudades de estar aqui e alimentar-me de suas palavras, e tenha certeza elas saciam a minha alma.
    Muito bom estar de volta a Blogosfera!
    Um beijo carinhoso

    ResponderEliminar
  9. Grande Manu,

    Estou apenas passando para avisar que indiquei seu blog para um selo de divulgação.
    Passa lá no "Desce Mais Uma!".

    Abração!

    ResponderEliminar
  10. Manu... um coração tão lindo como o seu não pode nem deve se calar.
    Saudades...
    Um abraço carinhoso

    ResponderEliminar
  11. Eu gosto de rimas, mas elas são raras hoje em dia.

    Não suma.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  12. Peço licença para entrar em seu espaço,
    e deixar um recado igual para todos os que considero.
    A Blogosfera é um paraíso literário.
    Aqui encontramos pessoas com dons maravilhosos!
    Eu tive muita sorte... Nesses caminhos eu encontrei você!
    Obrigada por fazer parte da minha vida.
    Um beijo carinhoso

    ResponderEliminar
  13. Te conheço amigo. Obrigada por te tornar a encontrar num outro lugar, com a mesma lucidez de sempre.

    Escrevo poesia, sou a Mª. Luísa Adães e vim há uns meses para o google.
    Fechei perfil do prosa-poetica, deixei aberto
    premios-prosa-poetica e tornei como blogs principal, http://os7degraus.blogspot.com

    Continuo a esperar-te!

    Maria Luísa

    ResponderEliminar
  14. Oiiii Manu!! Saudades muitas de vc.Cala não.É muito bom te ler. Bjsssssssss

    ResponderEliminar
  15. "Se não houve frutos, valeu a beleza das flores;
    se não houve flores, valeu a sombra das folhas;
    se não houve folhas, valeu a intenção da semente."
    Feliz Páscoa,com boas energias,paz,saúde!
    um abraço fraterno,
    Mari

    ResponderEliminar
  16. Oi Manu!! Quantas saudades de vc amigo. Vim reler seu soneto lindo e deixar um beijo bem grandão. Parabéns pelo seu segundo livro.Sucesso sempre. Bjsss da amiga regina ragazzi

    ResponderEliminar
  17. Saudade
    é trazer para dentro do peito
    o que deveria estar
    ao alcance dos olhos.

    Lou Witt

    Beijos na alma e coração...M@ria

    ResponderEliminar