terça-feira, 28 de setembro de 2010

Ao longo da vida

Ao longo da vida
foram tantos os caminhos
que percorri.
Trilhos frequentados
outros gastos pelo tempo
e pelo desuso.
Ao longo da vida
andei em linha recta
e em círculos
em busca de tudo e nada.
Andei por andar
ou com objectivos em mente.
Palmilhei quilómetros de incertezas
inverti marchas
forcei passagens
alterei rumos à última hora
repeti percursos.
Ao longo da vida
foram tantas as encruzilhadas
momentos de indecisão
urgência nas escolhas
umas foram boas
outras revelaram-se erradas.
Andei tanto ao longo da vida
que gastei as solas das botas
e passei a andar descalço.
Agora
com os pés macerados
e a alma cansada
apenas peço um pouco de descanso
ou um novo par de botas.


14 comentários:

  1. Um lindo fluxo poético, amigo. Adorei

    Grande abraço

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Adorei, me revi no teu poema, penso que a vida é um pouco assim, caminhos, procuras, escolhas, certezas, indecisões.

    tenho mais duas gatinhas , mas aquela era muito especial, penso que em próxima encarnação virá com pessoa, está a ser duro a sua perda
    Bj

    ResponderEliminar
  4. Olá Manu!

    São os caminhos da vida
    percorremos passa-a-passe
    e depois no fim da subida
    acabamos por ficar descalços

    um abraço.
    José

    ResponderEliminar
  5. As vezes andamos tanto,caminhando em nossas incertezas e dissabores,que chega-se ao ponto de ficarmos descalços,e depois de descalços, ainda,ferimos os pés... mas existe alguém que nesses momentos, deseja nos carregar em seus braços,revigorar nossas forças,nos alimentar com seu amor e alegria...Deus o nosso criador!Adorei o teu blog.Abraços!!!

    ResponderEliminar
  6. Perdoe, mas não entendi o seu comentário no meu blog no final.beijos!!!

    ResponderEliminar
  7. Meu querido Manu
    Estou voltando e estou melhor.
    Obrigada pelas palavras de carinho e pela amizade.
    É isso que nos aquece o coração.
    Gosto de te chamar amigo.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  8. Gosto de estar aqui, te ler é fazer um carinho pro coração. Bjs.

    ResponderEliminar
  9. "Ao Longo da Vida"

    Quanto se caminha
    quantas voltas se dão
    quantas perdas no caminho
    quantos enganos
    quantas ilusões
    quantas desilusões.

    Caminhamos em linha recta
    caminhamos em círculos mágicos
    nos encontramos e nos perdemos
    e esquecemos,
    a razão do caminhar...

    E por fim, cansados,
    nada sabemos do que somos.
    Nada!...

    Beijos,

    Maria Luísa

    ResponderEliminar
  10. Manu Em primeiro lugar quero agradecer-te por seguires um dos meus blogs, Não sabia que fazia parte da familia da Editora Temas Originais, tmabem é a minha Editora, mas ainda só lancei um livro, estive a dar uma vista de olhos a este teu blog parabens pelos lindos poemas quetens nele postado.
    Um abraço
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  11. Oi Manu,

    Poético e filosófico...
    Por aí se percebe que no meio do caminho, as dúvidas começam a surgir: parar ou trocar de calçados...

    Beijos,

    ResponderEliminar
  12. Um prazer conhecer seu blogue. Tantos poetas que
    há no mundo...e que pena ele não ser mais
    suave, mais agradável.
    Voltarei.
    Saudações/Irene

    ResponderEliminar
  13. Amiga obrigada por ter visitado meu blogue
    e deixado seu comentário. Concordo "a poesia"
    é o mais importante e a sua é boa.
    Beijinho
    Irene

    ResponderEliminar
  14. sou o da vida longa,da longa vida na sombra,
    perdida em conjunções (divagações)
    não a'visto p'ra'lém daquela lenta lomba
    planícies rectas ou rostos com mil perdões
    na vida falsa que nem me resta nem sobra..

    Jorge santos (linda a sua poesia, parabéns)

    ResponderEliminar